Cancelar
Acesso CNTV

Protesto por segurança hoje no Hospital Português

10Mai

Em ) - a ABRIL Acre

A falta de segurança, que culminou com a morte do vigilante Maurício Lopes da Silva, de 35 anos, motiva um protesto esta manhã no Real Hospital Português, na Ilha do Leite. O segurança morreu no final do mês de abril depois de ser baleado numa troca de tiros travada com assaltantes que invadiram a agência do Banco Itaú instalada na unidade de saúde.

A manifestação, que acontece na calçada da unidade de saúde, é realizada pelo Sindicato dos Vigilantes de Pernambuco. Com faixas, eles vão ao centro da Avenida Agamenon Magalhães durante o fechamento do semáforo de trânsito, para chamar a atenção da população sem interferir no tráfego.

Familiares do segurança participam do protesto. Maurício, que trabalhava há quase 11 anos como vigilante e há apenas cinco meses no local, foi atingido por três tiros. Dois foram retidos pelo colete à prova de bala, mas um atingiu as costas dele, pouco abaixo do pescoço, perfurando o coração e todos os órgãos vitais. Maurício chegou a ser encaminhado ao centro cirúrgico, mas não resistiu.

Pelo menos cinco homens participaram da ação que levou pânico aos pacientes e funcionários do local. Por volta das 11 h, dois homens invadiram a agência e renderam um dos vigilantes, enquanto outros três davam cobertura. Maurício tentou impedir o assalto, mas foi surpreendido pelos tiros. No tiroteio, três pessoas ficaram feridas. A recepcionista Evandra de Assis Cabral Silva foi atingida por dois tiros na perna esquerda e não corre risco de morte. O maqueiro José Ailton Barbosa de Góis levou um tiro no pé e recebeu alta ontem à noite. Um homem, de identidade não revelada, foi baleado no braço esquerdo, abdômen e tórax. Ele passou por cirurgia e segue em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ele seria um dos cinco suspeitos envolvidos no assalto. A polícia encontrou amostras de chumbo nas mãos dele.
Segundo João Rufino, representante do Sindicato dos Bancários, o fato de o banco não ter portas de vidro blindadas facilitou a ação dos bandidos. A polícia acredita que os suspeitos sabiam que um carro-forte iria abastecer, minutos antes, todos os caixas. Era dia de pagamento. Eles também estavam cientes da facilidade que encontrariam para entrar no hospital e roubar os malotes de dinheiro. As portas de entrada do Itaú não são blindadas, o que fere as leis municipais vigentes há mais de um ano.
No dia 29 de julho do ano passado, a mesma agência foi palco de um assalto desastrado e ousado. Na ocasião, o diretor do Sindicato dos vigilantes de Pernambuco, Sindesv, Luiz Carlos Barbosa, denunciou que a agência apresentava vários problemas de segurança que comprometeram a ação defensiva dos vigilantes, da empresa Nordeste Segurança. A agência, que se encontrava em reforma, não contava com câmeras de segurança em nenhuma área de seu interior. Além disso, os vigilantes eram dispostos muito próximos, sem nenhuma forma de defesa, a exemplo do escudo protetor, considerado recurso básico desde que foram intensificadas as investidas criminosas contra os bancos.

Com informações do repórter Raphael Guerra

0 comentários para "Protesto por segurança hoje no Hospital Português"
Deixar um novo comentário

Um valor é necessário.

Um valor é necessário.

Um valor é necessário.Mínimo de 70 caracteres, por favor, nos explique melhor.