Cancelar
Acesso CNTV

Morosidade da Justiça entrava prisão de “gangue da dinamite”

25Jan

Ataques com explosivos começaram no fim do ano passado. Em novembro, agência em Campina Grande do Sul foi destruída após uma ação
Ainda na semana passada, polícia pediu à Justiça prisões e medidas cautalares contra suspeitos de integrar quadrilha, mas solicitações ainda não foram analisadas pelo Judiciário

Desde a semana passada, uma força-tarefa integrada pelas polícias Civil e Militar mantém o mapeamento de uma das quadrilhas que usam explosivos para arrombar caixas eletrônicos em Curitiba e região metropolitana. Com as evidências, a polícia pediu à Justiça a prisão preventiva de integrantes de uma das “gangues da dinamite” e solicitou medidas cautelares para monitorar suspeitos. Cinco dias depois, no entanto, o Poder Judiciário ainda não analisou os pedidos.

A informação foi confirmada na tarde desta terça-feira (24), pelo delegado Guilherme Rangel, da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR). Para ele, as prisões seriam importantes porque ajudariam a polícia a fechar o cerco aos bandidos e combater de forma mais efetiva os ataques a caixas eletrônicos. “Temos uma boa parceria com o Ministério Público e com a Justiça, mas seria bom que essas prisões fossem avaliadas rapidamente”, disse o delegado.

De acordo com um levantamento divulgado nesta terça-feira pelo Sindicato dos Vigilantes (Sindivigilantes), as “gangues da dinamite” já fizeram 10 ataques neste ano, em Curitiba e região metropolitana. Entre os alvos, terminais eletrônicos que ficam em mercados, shoppings e agências bancárias. Esta modalidade é a que mais preocupa a polícia, porque a ação dos bandidos passaram a ocorrer durante o dia, com reféns e com o uso de armas longas (como espingardas e metralhadoras) na cobertura dos ataques. Em um dos casos, duas funcionárias de um shopping automotivo localizado no bairro Tarumã, na capital, ficaram feridas.

“Essas quadrilhas são formadas por bandidos de Curitiba, mas com ramificações em São Paulo”, disse Rangel. Segundo o delegado, essa modalidade de ataques começou depois que pedreiras foram assaltadas, a partir de meados do ano passado. As investigações apontam que os explosivos levados nesses roubos são usados no arrombamento dos terminais eletrônicos.

“Gangues do maçarico”

Para o delegado Rangel, a força-tarefa iniciada pela polícia na semana passada deu mostras de surtir efeito. Na madrugada desta terça-feira, a PM identificou uma casa que vinha sendo usada como quartel-general por uma das quadrilhas que usam maçaricos para violar os caixas eletrônicos. Na residência, localizada no Parque dos Lagos, em Colombo, região metropolitana, os policiais apreenderam três veículos (um Celta, um Vectra e um Nissan Tiida) com placas de Santa Catarina. Também foram encontrados um maçarico, dois pés-de-cabra, luvas, lonas e “ouriços” (uma espécie de prego espalhado nas ruas para furar pneus de viaturas, durante as fugas). Não havia ninguém na casa no momento da abordagem.

Na semana passada, dois homens foram presos, acusados de integrar uma das “gangues do maçarico”. Segundo a polícia, eles tentavam cortar terminais eletrônicos de uma agência no Centro de Curitiba, quando foram flagrados. Na fuga, houve troca de tiros. Ambos são provenientes de Santa Catarina. “Todos esses elementos reforçar o que havíamos levantado em investigações: que as quadrilhas que atuam com maçarico são provenientes de Santa Catarina”, observou Rangel. Segundo o Sindivigilantes, foram 11 ataques com maçaricos no Paraná, neste ano

0 comentários para "Morosidade da Justiça entrava prisão de “gangue da dinamite”"
Deixar um novo comentário

Um valor é necessário.

Um valor é necessário.

Um valor é necessário.Mínimo de 70 caracteres, por favor, nos explique melhor.