Cancelar
Acesso CNTV

Ministério da Defesa pede que Procuradoria do Trabalho tente impedir greve do setor áereo no Natal

21Dez

Em ) - 10 13 a


BRASÍLIA e SÃO PAULO - O medo de que o próximo dia 23, véspera do Natal, transforme os aeroportos num verdadeiro caos diante do indicativo de greve dos trabalhadores do setor levou o governo a solicitar ontem que o Ministério Público do Trabalho intervenha no conflito entre a categoria e as companhias aéreas.

As autoridades e as empresas temem ainda o crescimento vertiginoso do movimento de passageiros na quinta-feira, que será o pico da semana, por concentrar as vendas de bilhetes do período. Os atrasos começaram a crescer já no último fim de semana. Segundo dados da Infraero, somando destinos nacionais e internacionais, entre sábado e até às 18h de ontem, o percentual atingiu 20,88%. Das 7.011 partidas previstas, 1.464 atrasaram e outras 261 foram canceladas.

O volume de passageiros sobe na véspera do Natal, mas este ano mais gente viajará de avião. As duas maiores companhias nacionais, Gol e TAM, informaram que venderam 10% mais passagens com partidas previstas para quinta-feira, na comparação com igual período do ano passado.

Diante da demanda e das deficiências na infraestrutura aeroportuária, já são esperadas longas filas e atrasos, ainda que não haja paralisação ou problemas meteorológicos - outra ameaça concreta ao transporte aéreo esta semana. A orientação aos passageiros é fazer o check-in antecipado (por telefone, internet ou terminal de autoatendimento nos saguões) e chegar com antecedência mínima de duas horas para despachar bagagens.

O pedido de intermediação do Ministério Público junto aos sindicatos das companhias e dos trabalhadores foi feito pela Secretaria de Aviação Civil por determinação do ministro da Defesa, Nelson Jobim. O ministro também delegou à presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Solange Vieira, a tarefa de conversar com as empresas para encerrar o impasse.

Executivos das empresas admitiram ontem que a ameaça de greve é real e que, se os aeroviários (trabalhadores de solo) e aeronautas (pilotos e comissários) decidirem cruzar os braços, não há muito o que fazer para evitar transtornos aos passageiros.

Hoje, o Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea) publica nos jornais uma nota para esclarecer aos usuários os motivos do impasse. "As duas categorias já receberam este ano o reajuste salarial de 6,08%, referente à inflação do período medida pelo INPC.

Esse reajuste já está sendo pago às duas categorias, no 13 e no salário de dezembro", cita o texto.

Do índice total de atrasos registrados desde sábado, a Webjet respondeu por 51,54%. A TAM, que sofreu as consequências da nevasca na Europa, registrou índice de 25,72%. A companhia chegou a cancelou voos para Europa nesta durante o fim de semana e na segunda-feira, mas começou a retomar as decolagens na noite.

Na Europa, as viagens aéreas continuaram sofrendo com atrasos e cancelamentos pelo terceiro dia seguido, ao mesmo tempo em que agentes de viagens alertavam os passageiros a ficarem em casa, diante da nevasca e das baixas temperaturas em Reino Unido, França e Alemanha.

0 comentários para "Ministério da Defesa pede que Procuradoria do Trabalho tente impedir greve do setor áereo no Natal"
Deixar um novo comentário

Um valor é necessário.

Um valor é necessário.

Um valor é necessário.Mínimo de 70 caracteres, por favor, nos explique melhor.