Cancelar
Acesso CNTV

Clientes de banco são usados como escudo em tiroteio

06Dez

Em - 10 40% a al

Um assalto a banco que misturou elementos de filmes de ação e táticas dos velhos cangaceiros agitou Campo Novo do Parecis, uma pequena cidade de 26 mil habitantes a 396 km de Cuiabá, em Mato Grosso.

Uma agência do Banco do Brasil vizinha ao posto da Polícia Militar foi invadida e incendiada por bandidos, que trocaram tiros com os policiais usando os reféns como escudo humano.

Ao escapar, os assaltantes queimaram uma das camionetes usadas por eles na fuga para obstruir a passagem da polícia em uma estrada da região.

A quadrilha, formada por cerca de dez homens, chegou à agência bancária logo após a abertura do estabelecimento e dominou clientes e funcionários.

Depois de pegar o dinheiro dos caixas, os assaltantes colocaram fogo na sala que armazenava as imagens do circuito de segurança.

A polícia chegou e houve troca de tiros. Clientes e funcionários foram usados como escudo, e o delegado Eder Cley de Santana Leal foi atingido na perna e levado ao hospital da cidade.

"NOVO CANGAÇO"
Luciano Inácio, delegado da gerência de combate ao crime organizado da Polícia Civil de Mato Grosso, contou por que a ação é chamada de "novo cangaço".

"Eles chegaram da mesma forma como Lampião agia antigamente: com uma força bélica muito maior do que a da força pública local, dominaram a cidade e tomaram o que eles queriam -no caso, o dinheiro do banco", afirma.

"Nem o destacamento da Polícia Militar os intimidou", diz o delegado.

Após libertar os reféns, a quadrilha seguiu em direção à cidade de Nova Maringá.

Para bloquear o tráfego e atrapalhar a ação da polícia, os bandidos atearam fogo em uma das camionetes modelo S10 usadas na fuga. A outra foi abandonada a 40 km da cidade.




0 comentários para "Clientes de banco são usados como escudo em tiroteio"
Deixar um novo comentário

Um valor é necessário.

Um valor é necessário.

Um valor é necessário.Mínimo de 70 caracteres, por favor, nos explique melhor.