Por: CNTV | Confederação Nacional de Vigilantes & Prestadores de Serviços
Postado: 17/01/2020
SINDSEGUR recusa proposta patronal que retira direitos trabalhistas
 

Na última segunda-feira (13), o SINDSEGUR e o SINDESP estiveram reunidos na Secretaria Regional do Trabalho (SRT), para dar início à negociação coletiva da convenção de 2020. O encontro foi mediado pelo Dr. Claúdio Grabriel. 

O sindicato patronal apresentou proposta de reajuste de 2,5% sobre o piso e R$17,00 no vale alimentação (mesmo valor proposto para 2019-2020), alegando que as empresas não poderiam oferecer mais, haja vista a atual crise financeira nacional.

A diretoria do SINDSEGUR indignou-se com as propostas, e o dirigente pontuou que, de acordo com dados do IBGE, a inflação brasileira em 2019 foi de 4,31%, quase o dobro do reajuste sugerido.

Os representantes patronais sugeriram, ainda, retirar o direito do vigilante noturno ao recebimento da hora extra noturna reduzida, contrariando o parágrafo terceiro, cláusula 35, da CCT 2019-2020 que diz: “Os empregados que laboram em escala ’12×36′ horas em horário noturno, receberão, de forma remunerada uma hora extra noturna reduzida”.

Essa proposta representa uma perda financeira de R$219,77 no contracheque dos vigilantes. O SINDSEGUR prontamente recusou esse retrocesso nos direitos trabalhistas, que significa uma verdadeira ofensa à dignidade dos vigilantes.

Além disso, a proposta retira os assentos para descanso do trabalhador e coloca a responsabilidade dos custos com reciclagem para o próprio vigilante.

Há ainda uma particularidade para aqueles que trabalham na rede bancária de segunda a sexta. Fazendo 6 horas por dia, somam 30 horas semanais e 120 horas mensais. Multiplicando o valor proposta de R$8,14 da hora trabalhada com periculosidade, pelo total trabalhado, temos o salário bruto de R$976,75. No entanto, descontando INSS (R$78,14), vale transporte (R$58,60) e vale alimentação (R$74,80), o vigilante receberia um salário líquido de R$765,21.

O SINDSEGUR segue firme na luta para fazer valer todos os direitos da categoria, buscando melhorias dia a dia. Ao final da mediação ficou marcada uma nova rodada de negociações para o dia 24 de janeiro.